Notícias
08/05/2012 20h13 - Atualizado em 08/05/2012 20h13
Amapá e Guiana Francesa discutem intercâmbio nas áreas de educação e cultura
Da Redação - Agência Amapá
A-A+ Tamanho da Letra

O Amapá estreita cada vez mais diálogo com a Guiana Francesa no que concerne a firmação de parcerias na esfera de intercâmbio nas áreas de educação e cultura. Em reunião nesta terça-feira, 8, na Secretaria de Estado da Cultura (Secult), Serge Long Him Nam, diretor da Escola Nacional de Música e Dança Edgar Nibul da Guiana Francesa e Philippe Kong, secretário de Comunicação da instituição, vieram ao Amapá com a proposta de retomar o projeto "Orquestra Jovem Amazônia" e de estabelecer outras cooperações de amplitude educacional e cultural.

Orquestra Jovem Amazônia foi um projeto de cooperação que funcionou em 2005, envolvendo a Escola de Música Walquíria Lima, a Escola de Música da Universidade Federal do Pará (UFPA) e a Escola Nacional de Música e Dança da Guiana Francesa Edgar Nibul. Mais de 60 músicos, estudantes dessas instituições, integravam o projeto. Naquele ano, a orquestra fez três apresentações, em Macapá, em Belém e em Caiena, porém, no ano seguinte foi desativada, segundo Serge Nam, por questões políticas. À época, a parceria não foi formalizada, havendo apenas a assinatura de uma carta de intenção.

Para tratar sobre a retomada do projeto e intercâmbio, participaram da reunião, além do secretário de Cultura Zé Miguel, o secretário de Estado da Educação, Adalberto Carvalho Oliveira e a diretora do Walquíria Lima, Socorro dos Santos.

"Queremos retomar a cooperação, mas agora formalmente, um termo de Cooperação assinado pelo governador do Amapá e pelo presidente do Conselho Regional da Guiana. Se tudo der certo, nossa proposta é de fazermos intercâmbio mais amplo possível para a realização de concertos, de capacitação técnica de professores e alunos, de caráter pedagógico, abrangendo as áreas de música, dança e artes cênicas", explica o diretor Serge Long Nam.

Nesse sentido, foi proposta a redação de um convênio interinstitucional entre Governo do Amapá, por meio de suas secretarias de Educação e de Cultura, com a Escola da Guiana.

"Essa sinalização de boa vontade administrativa entre os dois países nos aponta, cada vez mais, na direção de que o Amapá e os países do Platô das Guianas têm muitos interesses em comum, e a inauguração da Ponte Binacional será um acesso facilitador. O governo tem todo empenho em dividir experiências com outras regiões, se isso significar dividendos para a sociedade como um todo", disse o secretário de Cultura Zé Miguel.

Com a manifestação de interesse dos gestores em firmar parcerias, o encaminhamento dado foi de se redigir uma proposta de cooperação entre as partes, para seguir os trâmites legais, com apreciação do executivo e do Conselho Regional da Guiana.

O secretário de Educação, Adalberto Carvalho, propôs que a formalização dos instrumentos legais seja acompanhada pela Agência de Desenvolvimento do Amapá (Adap), instância responsável por assuntos internacionais, mas mostrou disposição de que esses trâmites corram o quanto antes.

"Sem dúvida, para o Amapá será um grande passo, pois teremos a oportunidade de capacitar nossos professores e estudantes e vice-versa, porque temos profissionais de primeira linha aqui também. Penso que conversas mais adiante vão alinhar as condições e modalidades da cooperação, mas o importante é perceber a disposição entre os governos de estreitar essas relações".

Reforçando o interesse da Guiana, Serge Nam e Philippe Kong convidaram o Amapá a participar das comemorações aos 25 anos da Escola Nacional de Música e Dança Edgar Nibul, entre os dias 11 e 17 de março de 2013. O convite é para que o Estado leve para a Guiana grupos de música locais.

A Escola Nacional de Música e Dança Edgar Nibul

É um complexo cultural de 8 mil metros quadrados de área construída, com espaços diversos para cursos e oficinas de música, dança e teatro, auditório com capacidade para mil pessoas, salão de eventos. A escola atende mais de 1.400 alunos, sendo 500 de dança e os demais na música. O curso de Artes Cênicas está sendo estruturado este ano.

Na música, ponto forte da escola, o ensino é direcionado à formação e cultura, com cursos de leitura de partituras, teoria, ritmos, canto, violino, violão clássico e popular, violoncelo, piano, guitarra, viola, saxofone, clarinete, flauta, trompete, trombone, tumba, bateria, percussão (diversos), dentre outros.

Escola de Música Walquíria Lima

A escola amapaense atende 740 alunos, divididos entre ensino regular e as oficinas de coro infantil, adulto e popular. Atualmente, a escola funciona na avenida Feliciano Coelho, no bairro Santa Rita, com os cursos de piano, violão, violino, violoncelo, clarinete, saxofone, trompete, flauta-doce, canto lírico e contra baixo elétrico.

Rita Torrinha/Secult

Cadastre-se para receber o Boletim Eletrônico
Nome
E-mail
Assessorias
Secretaria de Estado da Comunicação