Outubro Rosa
Notícias
11/10/2011 17h36 - Atualizado em 11/10/2011 17h36
Índios constroem réplica da casa dos Waiãpi no Museu Sacaca
Da Redação - Agência Amapá
A-A+ Tamanho da Letra
Ampliar imagem
Índios constroem réplica de moradia Waiãpi
Ampliar imagem
Índios constroem réplica de moradia Waiãpi
Ampliar imagem
Índios constroem réplica de moradia Waiãpi
Ampliar imagem
Índios constroem réplica de moradia Waiãpi

O Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá (Iepa) assinou, nesta segunda-feira, 10, na Praça do Pequeno Empreendedor Popular, localizada no Centro de Pesquisas Museológicas - Museu Sacaca, o Termo de Cooperação Técnica com a Associação dos Povos Indígenas Waiãpi do Triângulo do Amapari (Apiwata).

De acordo com o termo, os índios da etnia ficaram responsáveis de construir a réplica da casa dos Waiãpi, na exposição a Céu Aberto do Museu Sacaca. Segundo a diretora do Museu, Mônica Dias, a construção iniciou na sexta-feira, 8, e será concluída nesta quarta-feira, 12.

"Os índios são ágeis e eficientes, possuem habilidades específicas e estão fazendo um ótimo trabalho", disse a diretora. Na construção, estão sendo utilizados materiais como cipó-titica, cobertura de ubim, paxiúba no piso, esteios de pau mulato e aquariquara.

De acordo com a técnica do Museu, Nayara Cavalcante, a aldeia Waiãpi não apresenta formato característico. As casas estão dispersas no espaço limitado pelo igarapé ou pelo rio e pelas roças, deixando livre uma praça (okara), onde se realizam as atividades sociais e rituais. Cada casa corresponde a uma família nuclear ou, em raros casos, a uma família extensa, abrigando em média 4 a 7 pessoas.

Ela explicou ainda que as casas do tipo tradicional são palafitas, construídas sobre estacas, que podem chegar a uma altura de dois metros, tem-se acesso ao estrado por uma escada esculpida num tronco de árvore.

Já a cobertura, em duas águas, é feita de folhas de ubim e palha preta. Eles acreditavam que morando no alto estão mais próximos dos espíritos. A área embaixo da casa é utilizada para atividades cotidianas, mas também é usada para enterrar seus mortos. Quando o chefe da tribo é sepultado, eles abandonam a aldeia e procuram outro local para morar.

Atualmente, elas vêm sendo substituídas por grandes construções baixas, sem paredes, ou ainda por simples tapiris de construção rudimentar e provisória.

Fabíola Gomes/Secom

Cadastre-se para receber o Boletim Eletrônico
Nome
E-mail
Assessorias
Secretaria de Estado da Comunicação